Agostinho: Deus sempre amou a todos

O amor, portanto, pelo qual Deus ama, é incompreensível e imutável. Pois não foi desde o tempo em que fomos reconciliados com ele pelo sangue de seu Filho que ele começou a amar-nos; mas ele nos amou antes da fundação do mundo, para que nós também sejamos seus filhos juntamente com o Unigênito, antes que sequer tenhamos existido. Que o fato de termos sido reconciliados com Deus através da morte de seu Filho não seja entendido ou interpretado como se o Filho tivesse nos reconciliado neste aspecto, ou seja, que ele agora tenha começado a amar aqueles que antes odiava, no mesmo sentido em que inimigo é reconciliado com inimigo - de maneira que agora se tornam amigos, e o amor mútuo tome o lugar do ódio mútuo. Fomos reconciliados com ele que já nos amava, mas com quem éramos inimigos por causa do pecado. Se digo a verdade sobre isso, deixe o apóstolo testificar, quando diz: Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores [Romanos 5:8]. Portanto, ele nos amava mesmo quando praticávamos inimizade contra ele e iniquidade; ainda assim, é dito com perfeita verdade: Tu detestas, ó Senhor, todos os que praticam o mal [Salmos 5:5]. Desse modo, de uma maneira incrível e divina, mesmo enquanto ele nos odiava, também nos amava; pois ele odiava-nos na medida em éramos diferentes daquilo que ele fez; e porque nossa própria iniquidade não tinha em toda parte consumido sua obra, ele sabia como odiar, em cada um, aquilo que nós fizemos, e amar aquilo que ele fez. E isso, de fato, pode ser entendido a respeito do que é dito: não odiais nada do que fizestes [Sabedoria 11:24] (Tratados sobre o Evangelho de João, 110, 6).

Agostinho sobre o resgate oferecido por Cristo

Os homens eram mantidos cativos sob o diabo e serviam aos demônios, mas foram redimidos do cativeiro. Puderam vender-se a si mesmos, mas não conseguiram redimir-se. Veio o redentor e pagou o resgate; derramou seu sangue e comprou o orbe da terra. Queres saber o que ele comprou? Vede quanto pagou, e descobrirás o que comprou. O preço é o sangue de Cristo. Qual o objeto que vale tanto? Qual, senão todo o orbe? Qual, senão todas as nações? Muito ingratos são ao preço de seu resgate, ou por demais soberbos os que afirmam ser ele tão pequeno que só adquiriu os africanos; ou seriam eles tão importantes que tenha sido pago somente por eles? Por conseguinte, não exultem, não se orgulhem. Deu por todos tudo aquilo que deu. Está ciente do que comprou, porque sabe por quanto foi. Tendo sido nós remidos, depois do cativeiro edifica-se a casa (Comentário ao Salmo 95).

Irineu de Lião: o homem possui livre-arbítrio

As palavras que diz: 'Quantas vezes quis reunir os teus filhos e não quiseste', ilustram bem a antiga lei da liberdade do homem, porque Deus o fez livre desde o início, com a sua vontade e a sua alma para consentir aos desejos de Deus sem ser coagido por ele. Deus não faz violência, e o bom conselho o assiste sempre, e por isso dá o bom conselho a todos, mas também dá ao homem o poder de escolha, como o dera aos anjos, que são seres racionais, para que os que obedecem recebam justamente o bem, dado por Deus e guardado para eles enquanto os desobedientes serão justamente frustrados neste bem e sofrerão o castigo merecido (Contra as heresias, III).