Isaque, o Sírio: a salvação do mundo

O resumo de tudo é que Deus, o Senhor de todos, por amor às suas criaturas entregou Seu Filho à morte na cruz. Pois Deus tanto amou o mundo que deu Seu Filho Unigênito para isso [a salvação]. Não que Ele não pudesse nos salvar de outro modo, mas neste modo foi possível mostrar Seu abundante amor para conosco, isto é, trazendo-nos para perto Dele pela morte de Seu Filho. Se Ele tivesse algo de mais precioso, teria nos dado, para que assim nossa espécie viesse a ser Dele. De todo Seu enorme amor, Ele nem mesmo escolheu constranger nossa liberdade por coerção, embora fosse poderoso para isso. Mas Seu propósito foi que nos aproximássemos Dele por amor de nossa mente.

Nosso Senhor obedeceu ao Pai por amor a nós, tomando sobre si o desprezo e o sofrimento alegremente, como as Escrituras dizem. Assim nosso Senhor disse na noite em que ia ser traído: Isto é o meu corpo, que é dado pela salvação do mundo para a vida. E isto é o meu sangue, que é derramado para a remissão dos pecados. Em proveito deles eu ofereço-me (Sermão LXXIV).

Marcos, o eremita: sobre fé e obras

18. Alguns sem cumprir os mandamentos imaginam que possuem fé verdadeira. Outros cumprem os mandamentos e então esperam o reino como recompensa devida a eles. Ambos estão enganados.

22. Quando as Escrituras dizem que 'Ele recompensará cada um de acordo com suas obras' (Mateus 16:27), não imagine que as obras em si mesmas merecem seja o inferno ou o reino. Ao contrário, Cristo recompensa cada homem de acordo com suas obras serem feitas na fé ou sem fé Nele; e Ele não é um comerciante ligado por contrato, mas Deus nosso Criador e Redentor.

23. Aquele que recebeu o batismo oferece boas obras, não como um pagamento, mas para preservar a pureza que nos foi dada.

41. Existe um pecado que é sempre 'para a morte' (1 João 5:16): o pecado pelo qual não nos arrependemos. Pois por esse pecado nem mesmo as orações de um santo serão ouvidas.

48. O sinal do amor sincero é perdoar as coisas erradas feitas contra nós. Foi com tal amor que o Senhor amou o mundo.

78. Ninguém é tão bom e misericordioso quanto o Senhor. Mas mesmo ele não perdoa aos não-arrependidos.

109. Um apenas é justo em obras, palavras e pensamentos. Mas muitos são feitos justos em fé, graça e arrependimento (Sobre os que pensam tornarem-se justos pelas obras).

Basílio sobre o modo de receber a comunhão

É bom e benéfico comungar todos os dias, e participar do santo Corpo e Sangue de Cristo. Pois ele disse claramente, 'Aquele que come minha carne e bebe meu sangue tem a vida eterna' [...]. É desnecessário apontar que para qualquer um em tempos de perseguição ser compelido a tomar a comunhão em suas próprias mãos sem a presença do sacerdote ou ministro não é uma ofensa séria, uma vez que o costume sanciona essa prática pelos fatos mesmos. Todos os eremitas do deserto, onde não há sacerdote, tomam a comunhão eles mesmos, mantendo a comunhão em casa. E em Alexandria e no Egito, cada um dos leigos, na maior parte, toma a comunhão, em sua própria casa, e participa dela quando entende conveniente. Pois, uma vez que o sacerdote completou a oferta, e a deu, o beneficiário participando nela em cada tempo integralmente, deve crer que ele a recebe do doador. E mesmo na igreja, quando o sacerdote dá uma porção, o beneficiário a toma com completa possessão sobre ela, e assim a leva ao seus lábios com suas próprias mãos (Epístola 93).